Arquivo do mês: setembro 2017

::: CURIOSIDADES SOBRE A TARIFA ZERO :::

 

tarifa zero2

Diante do impasse e falsificações da tarifa, com fraudes do modelo concessionário. Com a decisão judicial pela redução pra R$3,60 e a ameaça dos consórcios de piorar o transporte. Reforçamos a proposta da TARIFA ZERO.

Mas algumas curiosidades precisam ser explicadas e mitos serem desmentidos:

– NÃO tira empregos: Muitos pensam que ocorreria a demissão de cobradores, mas com o aumento de frotas e viagens acontece AMPLIAÇÃO dos postos de trabalho. Ao contrário de hoje: com a tarifa, empresários querem bilhetagem eletrônica ou dupla-função de motoristas, para economizar botando menos ônibus e ter mais SUPERLOTAÇÃO.

– NÃO tem aumento de impostos: O transporte coletivo deve ser subsidiado pelo poder público, como qualquer serviço essencial para a população. Mas hoje eles são direcionados para manter empresários cobrando tarifas e tirando transporte. Já existem impostos e tributações, que podem custar a tarifa zero, sem onerar a classe trabalhadora. Além de uma boa reforma tributária que poderia ser feita, pois capitais são um terço menos taxados que a renda dos trabalhadores. Por isso defendemos: tarifa zero, paga pelos ricos!

– Não tem superlotação do transporte: A tarifa, não é o custo rodagem, mas sim do passageiro pelo valor do mercado para garantir os lucros da empresa. Com tarifa zero, o custo da rodagem por passageiro reduz muito. Isso, estimula ter mais rodagem e MAIS TRANSPORTE. Portanto, não tem lotação, como fazem PROPOSITALMENTE os empresários.

– Diminui desemprego, exploração e desigualdade social: O Rio já tem 350 mil desempregados e o Brasil tem 37 milhões de pessoas andando somente a pé nas cidades. Além ônibus perdem 4 milhões de usuários todo mês no país e o Rio perdeu 24 milhões de usuários nos últimos 5 anos. Muitos trabalhadores do subúrbio não são contratados por discriminação ou para patrões economizarem Vale transporte. Isso faz muitos falsificarem os comprovantes de residência e pagar o valor da tarifa do salário. Com tarifa zero, isso iria acabar.

– Menos engarrafamentos, mortes no trânsito e poluição: Com mais transporte coletivo, teria menos busca por carros e motos, otimizando o trânsito e ficando mais harmônico. Seria menos combustível queimando e poluindo a cidade. Além de menos tempo de trânsito. Hoje em dia 1h 30 é o mínimo de demora no Rio, que está sendo retirado da carga horária dos empregos, pela Reforma Trabalhista. Além de mais de 80% das mortes no trânsito são nos centros urbanos, não nas estradas.

::: CONTRA OS ABUSOS SEXUAIS E MACHISMO NOS TRANSPORTES COLETIVOS :::

1v5cx0Nesta semana, houve dois casos de assédio sexual em São Paulo e outra no Rio, em um BRT. Quando um homem ejaculou na roupa de uma mulher, ao abusar dela dentro do transporte.

Não foi o primeiro e infelizmente não será o último caso, o machismo em nossa sociedade coloca e tende a naturalizar a submissão de mulheres, seja em condições sexuais ou condições cotidianas, de produção e trabalho. Essas, é onde a classe trabalhadora é submetida à péssima mobilidade urbana e as condições do transporte coletivo.

A piora das condições da mulher no transporte público, é uma amostra de como é tratada a classe trabalhadora. Se piora as condições da mulheres, piora a condição de sua classe, que é ao menos a metade de sua população.

Empresários e gestores, não tem interesse em mudar a condição do transporte coletivo. A SUPERLOTAÇÃO é um meio de conseguir lucro, cobrando mais tarifas e com menos gastos: menos frotas, linhas, rodoviários ou qualquer qualidade. Para eles, não importa o que acontece com os usuários, ou qualquer violência que sofram. O machismo serve para naturalizar a violência que sofrem as mulheres e também para manter silenciada essas condições do transporte.

É muito importante a união contra o machismo e combate dessa cultura, que destrói a mobilização da classe trabalhadora. Assim como, contra essa condição sofrida pelas mulheres, é importante não inocentar o maior inimigo: os empresários, que promovem a superlotação. Lembrando, que contra a redução da tarifa para R$3,60 eles vão chantagear e cortar mais transporte, piorando mais ainda as condições.

Para combater essas condições, é preciso combater o machismo e lutar por TARIFA ZERO. Que é a única solução contra a péssima condição do transporte coletivo: para acabar com a exclusão, a falta de transporte e a SUPERLOTAÇÃO.